filmes sobre psicologia

Filmes sobre Psicologia: 10 títulos e o que eles ensinam

Seja você uma pessoa cinéfila ou não, todo e qualquer filme sobre Psicologia pode ser um caminho rico para quem deseja se aprofundar nesse assunto. Não por menos, essas produções são constantemente indicadas para os estudantes que acabaram de ingressar na graduação de Psicologia, uma vez que abordam temáticas importantes desse tipo de formação. 

Conflitos psicológicos e transtornos mentais são bons exemplos disso. Ao assistir a um longa-metragem referente ao assunto, você terá um momento perfeito para relaxar, ao mesmo tempo em que abre a sua mente para refletir a respeito de aspectos que influenciam as nossas vidas — e as do próximo também. Logo, estamos falando de uma alternativa superacessível e, de quebra, divertida. 

Assim, que tal conferir a nossa seleção de filmes de psicologia e começar, agora mesmo, a mergulhar nesse universo? Para se atualizar, basta continuar acompanhando a leitura e conferir as nossas recomendações. Vamos lá!

10 filmes sobre psicologia para assistir já

Independentemente das suas preferências para o cinema, uma coisa é fato: há longas-metragens disponíveis para todos os gostos. Das produções de suspense até os desenhos animados, certamente você encontrará uma alternativa para conferir. 

1. Gênio indomável (1997)

Lançado em 1997, “Gênio indomável” é um filme sobre psicologia que conta a história de Will Hunting, interpretado por Matt Damon, um jovem altamente inteligente e, por muitas pessoas, considerado um verdadeiro prodígio. 

Entretanto, o personagem vive atormentado por alguns traumas do seu passado, que também foram os responsáveis por lhe causar uma certa insegurança. Ao ser analisado por meio da “lente da psicologia”, o enredo serve para nos lembrar da importância de entender como as experiências que vivenciamos ao longo da vida podem, sim, ser traumáticas e até mesmo ajudar a construir a nossa personalidade. 

Fora isso, a relação do protagonista, Will, com o seu terapeuta, Sean Maguire, interpretado por Robin Williams, é um detalhe importante para destacar como a terapia é uma solução interessante para aqueles que desejam superar as suas barreiras emocionais. Vale conferir!

2. Divertida Mente (2015)

Quem já assistiu à animação “Divertida Mente” pode até não perceber, mas esse é um dos principais filmes para psicólogos e estudantes. Em um primeiro momento, é provável que você considere o desenho animado exclusivo para o público infantil, porém, ao analisá-lo cuidadosamente, perceberá que a produção nos incentiva a realizar profundas reflexões. 

Basicamente, o enredo se passa dentro da mente da personagem Riley, uma jovem que acabou de viver uma série de mudanças marcantes. Nesse contexto, cada uma das suas emoções, como a Tristeza, a Alegria, a Raiva, o Nojo e o Medo, são personificadas, facilitando a compreensão dos nossos processos de tomada de decisão. 

Outra questão interessante é que “Divertida Mente” consegue ilustrar muito bem como as emoções conseguem moldar as nossas atitudes, sendo imprescindível que todo e qualquer indivíduo as conheça a fundo para alcançar o bem-estar. 

3. Identidade (2003)

Quando falamos sobre os filmes relacionados à psicologia, não podemos nos esquecer desse thriller superenvolvente. Dirigido por James Mangold, o longa-metragem narra a reunião de dez estranhos, que se abrigam em um motel durante uma tempestade. Entretanto, cada uma dessas pessoas esconde um segredo misterioso e, em alguns casos, até sombrio. 

No decorrer da história de “Identidade”, esse filme sobre psicologia começa a mostrar a natureza da personalidade humana que, por muitas vezes, é multifacetada. A história, então, explora como diferentes aspectos da vida de cada um de nós pode coexistir. 

Já em uma visão psicológica, a produção ajuda a reconhecer as inúmeras camadas da nossa identidade, bem como a influência que o ambiente onde crescemos e vivemos é capaz de exercer na construção do “eu”. Fora que o final é surpreendente!

4. Shame (2011)

Podemos dizer que esse é um dos filmes mais polêmicos das últimas décadas, já que aborda a compulsão sexual. Ao assistir a esse filme sobre psicologia, temos a chance de nos aprofundar no dia a dia de Brandon Sullivan, interpretado por Michael Fassbender, um homem de 30 e poucos anos, um tanto apático, que sofre de dependência sexual. 

Apesar de ser bem-sucedido, o personagem leva uma vida solitária, sem conseguir firmar um relacionamento duradouro com ninguém. Ou seja, a sua rotina é resumida em estar sempre em busca do prazer sexual. Entretanto, tudo pode mudar com a chegada de sua irmã, Sissy, interpretada por Carey Mulligan. 

De um ponto de vista psicológico, “Shame” nos mostra como os comportamentos compulsivos, sejam eles sexuais ou não, podem ser verdadeiros reflexos de questões emocionais que ainda não foram bem resolvidas. Aliás, esse raciocínio pode estar alinhado com o universo da própria Psicologia Clínica, encarregada de entender as raízes de hábitos aditivos para, a partir disso, conseguir tratá-los adequadamente. 

5. Uma Mente Brilhante (2001)

Em busca de bons filmes sobre psicologia Netflix? Então, vale checar essa nossa indicação. Lançado há mais de duas décadas, o longa-metragem biográfico conta a trajetória do matemático John Forbes Nash Jr, interpretado por Russell Crowe. Para quem não sabe, ele ficou conhecido por entrar para a história das Ciências Exatas ao ganhar o Prêmio Nobel de Economia e, paralelamente, lutar contra a esquizofrenia. 

E como não poderia ser diferente, o filme “Uma Mente Brilhante” nos transporta diretamente para a complexidade da mente dos seres humanos, explorando tanto o nosso poder de genialidade, quanto alguns conflitos emocionais internos. 

Em contrapartida, esse é um ótimo caminho para quem deseja entender mais sobre a importância dos pacientes contarem com o apoio emocional de outras pessoas para, assim, conseguirem vencer diferentes obstáculos. 

Isso porque, no decorrer da produção, o protagonista acaba conhecendo a sua esposa Alicia, interpretada por Jennifer Connely, que teve um papel marcante e decisivo em sua vida. Com a ajuda da mulher, John Nash foi, aos poucos, superando as adversidades e, de certo modo, seguiu com uma rotina normal. Para conferir já!

6. Cisne Negro (2010)

Trazemos aqui um filme sobre psicologia que une também o amor pela arte da dança. Nessa produção, temos a oportunidade de conferir a história de Nina, interpretada por Natalie Portman, uma jovem delicada, meiga, que atua como bailarina e sonha em, um dia, conquistar um papel de destaque nos palcos. Inclusive, quando ela é escolhida para ser protagonista do clássico balé “O Lago dos Cisnes”, seu mundo “vira de cabeça para baixo”. 

Nesse período, Nina começa a viver fortes episódios de repressão familiar. Em paralelo, também precisa driblar as relações tóxicas no trabalho e a sua busca incansável pela perfeição. É também nesse momento que a personagem cria uma espécie de fixação pela sua colega, a também bailarina, Lily, interpretada por Mila Kunis. 

O mais interessante? O filme “Cisne Negro” é um “prato cheio” para quem deseja compreender melhor as abordagens psicanalíticas. Até porque tal enredo explora a fundo os aspectos, um tanto sombrios, do ego, mostrando como a pressão interna dos indivíduos pode acabar resultando em uma luta frequente pela identidade. 

7. Bicho de Sete Cabeças (2001)

Engana-se quem imagina que só existem opções internacionais de filmes sobre psicologia. Pelo contrário! No cinema nacional, há excelentes produções para acompanhar e, de quebra, prestigiar os nossos atores. 

Esse é o caso de “Bicho de Sete Cabeças”, dirigido por Laís Bodanzky, com roteiro de Luiz Bolognesi. No longa-metragem, você vai conferir a história de Seu Wilson, interpretado por Othon Bastos, e o seu filho Neto, interpretado por Rodrigo Santoro. Ambos possuem um relacionamento um tanto complicado, com um vazio entre ambos que vai aumentando cada dia mais. 

Para se ter uma ideia, Seu Wilson pouco se importa com os gostos e preferências de Neto, enquanto este não consegue lidar com a presença de seu pai. Com os dias, a situação vai piorando, até atingir o seu limite. Nessa hora, Neto é encaminhado para um manicômio, onde precisará lidar com um sistema nada humanizado e que, lentamente, vai destruindo a sua saúde e inteligência emocional

Observando esses acontecimentos, o espectador é automaticamente transportado para a realidade do sistema de saúde psiquiátrico, tendo a chance de entender mais sobre a luta contra a estigmatização e como a sociedade muitas vezes marginaliza quem mais precisa de ajuda. Em resumo, trata-se de um olhar crítico da psicologia, reformando a importância de se pensar em políticas inclusivas para esses cidadãos. Não deixe de conferir!

8. O Mínimo Para Viver (2017)

Delicado e muito necessário, este é um filme que aborda um problema frequente em muitos jovens ao redor do mundo: a anorexia, um distúrbio alimentar responsável por fazer com que a pessoa se torne obcecada pelo seu peso e por tudo aquilo que ingere. Entre os principais sintomas dessa condição psicológica, está o jejum intenso e a prática de atividades físicas em excesso.

Dito isso, a jovem Ellen, interpretada por Lily Collins, se vê incapaz de lidar com a doença e seguir com uma vida saudável. Nessa fase, a protagonista já se encontra com as esperanças esgotadas e nenhuma perspectiva de melhora. Contudo, a sua situação começa ao mudar quando ela conhece o médico William Beck, interpretado por Keanu Reeves, que segue com uma abordagem de tratamento não convencional. A partir daí, um novo horizonte se abre e Ellen decide, mais uma vez, enfrentar a sua condição para vencer os desafios. 

Certamente, esse é um filme sobre psicologia que nos leva a fazer uma viagem emocional profunda, conhecendo os padrões de pensamento responsáveis por nos causar atitudes destrutivas. Fora isso, essa é mais uma produção interessante, com uma visão humana e empática, nos ensinando sobre a importância do apoio emocional ao longo de um processo de cura. 

9. Nise: O Coração da Loucura (2015)

Que tal mais um filme sobre psicologia produzido por brasileiros? Dirigido por Roberto Berliner, este longa-metragem biográfico foi inspirado na vida da médica Nise da Silveira. Na produção, a personagem é interpretada por Gloria Pires, mostrando o momento em que, após sair da prisão, a profissional voltou a trabalhar em um hospital psiquiátrico, localizado no subúrbio do Rio de Janeiro. 

A partir disso, a doutora oferece uma nova modalidade de tratamento aos pacientes, especialmente os que sofrem de esquizofrenia. A sua ideia é descartar de vez o uso da lobotomia e do eletrochoque. Nada fácil, essa atitude foi prontamente negada pelos seus colegas de trabalho — que, por sua vez, passaram a isolar Nise em diferentes situações. 

Sem encontrar muitas saídas, a protagonista decide assumir o Setor de Terapia Ocupacional do hospital e que, até então, estava completamente abandonado. Foi lá que ela deu início a uma nova maneira de lidar com os seus pacientes, sempre investindo na arte e no amor ao próximo. 

Para quem se interessa pelo assunto, o filme é excelente para ajudar a entender melhor sobre a Psicologia da Expressão e como os trabalhos artísticos podem servir como um método valioso de comunicação — e de cura! — para quem segue na batalha contra diferentes doenças mentais. 

10. Clinical (2017)

Para encerrar a nossa seleção completa de filmes sobre psicologia, temos mais essa opção pra lá de interessante. Na produção, conferimos o dia a dia da doutora Jane Mathis, interpretada por Vanessa Shaw, uma psiquiatra que está passando os seus dias em busca de soluções para esquecer os traumas do passado. 

No entanto, e mesmo se esforçando para apagar a sua memória, ela está prestes a relembrar de um ataque violento, responsável por mudar para sempre a sua vida. O motivo? Assim que recebeu o pedido de ajuda de um paciente, com o rosto completamente desfigurado, a médica aceitou o desafio de tratá-lo — sem fazer ideia de que essa decisão poderia lhe causar sérios problemas. 

Podemos dizer que esse longa-metragem nos ajuda a examinar como uma série de acontecimentos traumáticos podem interferir em nossas relações do momento. Com uma abordagem dinâmica, o filme nos convida a entrar nos espaços escuros da mente humana e, com isso, entender melhor os desafios que a nossa própria mente coloca em nossos caminhos. 

Como vimos ao longo deste post especial, não faltam opções de filmes sobre psicologia para quem deseja se aprofundar nesse universo e, quem sabe, até ingressar em uma formação. 

E agora que você já se atualizou a respeito do tema, o que acha de entender mais sobre as disciplinas e duração desse da graduação em psicologia? É só conferir o artigo exclusivo que preparamos. Nos vemos na próxima!

Compartilhe!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Receba conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail!

Diga o que está em sua mente

Seu endereço de e-mail não será publicado.