estrutura da redação

Saiba de uma vez por todas como funciona a estrutura de uma redação

Todo estudante e, principalmente, quem vai prestar vestibular, sabe que um dos desafios é escrever uma boa redação. Logo, é muito importante conhecer como funciona a estrutura da redação e que dicas podem contribuir para melhorar a escrita.

Essa preparação prévia ajuda a ter mais segurança na hora de desenvolver um texto em poucos minutos e sem nenhum tipo de recurso, como acontece durante o Enem ou qualquer outra prova.

Você já se sente preparado para isso? Confira a seguir nossas sugestões!

Quando a redação é necessária?

Uma das provas de redação mais famosas é a do Enem. O Exame Nacional do Ensino Médio exige que todos os candidatos escrevam um texto dissertativo-argumentativo sobre um tema surpresa, o que costuma causar muita curiosidade nos estudantes, professores e pessoas do país inteiro.

Outros vestibulares e concursos também podem incluir tal etapa, sendo fundamental saber como se dar bem nessa missão. Saber escrever parece uma habilidade natural para quem já é alfabetizado, mas na realidade não é bem assim. Mesmo quem domina os conceitos básicos da Língua Portuguesa pode produzir textos que deixam a desejar e isso pode afetar o desempenho universitário e profissional dessa pessoa.

Além das provas que já citamos, a capacidade de escrita é importante ao longo de toda a nossa vida. Desde os trabalhos mais simples na rotina escolar até artigos acadêmicos ou tarefas do dia a dia de trabalho, escrever bem é uma necessidade.

Ainda que seu perfil seja totalmente voltado para as Ciências Exatas e você nem pense em fazer uma faculdade de Humanas, em vários momentos será necessário se comunicar através das palavras. Sejam faladas ou escritas. A comunicação é uma habilidade importantíssima que deve ser aprimorada sempre, inclusive pela possibilidade disso se tornar um diferencial que vai levar você muito adiante!

Qual a importância de melhorar a redação?

Como toda habilidade, a escrita pode ser aprimorada e agora vamos falar da importância de fazer isso. Existem pessoas que têm maior facilidade em se comunicar escrevendo e outras que encontram nessa tarefa um grande obstáculo.

Isso não significa que esse último grupo não possa evoluir, pois estamos falando de um talento que pode ser desenvolvido. Tudo depende de dedicação e prática, partindo da consciência sobre como isso é importante.

No caso dos candidatos a uma vaga no Ensino Superior, conquistar uma boa nota na redação é a razão para se destacar entre os demais concorrentes. Em outras palavras, ter um resultado melhor na redação é capaz de colocar uma pessoa à frente na disputa por objetivos, como entrar na faculdade dos sonhos.

Em muitas seleções acontece de dois ou mais candidatos terem a mesma nota nas questões de múltipla escolha. Com o resultado exatamente igual na parte objetiva da prova, a qualidade do texto faz a diferença para selecionar quem teve o melhor desempenho.

Possivelmente esse é o principal motivo para os futuros universitários se dedicarem à escrita, lembrando que essa é uma habilidade relevante para a vida e em todas as profissões. Inclusive, vale desmistificar a ideia de que apenas os estudantes interessados em faculdades sem Matemática ou áreas como Jornalismo, Comunicação e Letras precisam ter uma redação brilhante.

Tenha a certeza de que um engenheiro, médico ou qualquer outro profissional que souber se comunicar bem conta com um diferencial valioso. Agora, falando em termos práticos para os candidatos que estão concorrendo em um processo seletivo, a vantagem é mesmo sair na frente com uma boa nota na redação.

Quais são as competências avaliadas em uma redação?

Isso vai depender muito dos critérios de cada prova. O Enem serve como uma boa referência, até porque é uma avaliação realizada por milhões de brasileiros todos os anos e o Ministério da Educação está por trás da elaboração da prova. Portanto, são considerados todos os conteúdos de produção de texto ensinados ao longo do ciclo da Educação Básica. As competências avaliadas no Enem estão listadas abaixo.

Competência 1: domínio da escrita formal da Língua Portuguesa

O primeiro fundamento é dominar a norma culta da nossa língua, o que não quer dizer que é preciso usar um linguajar extremamente formal ou palavras requintadas.

O cuidado é exatamente seguir as normas da Língua Portuguesa e fugir da linguagem informal, com gírias, abreviações ou qualquer outra coisa que não faça parte do que está nos livros de gramática. Afinal, estamos falando de uma redação e não de uma conversa coloquial ou de uma mensagem enviada na internet.

A dica para desenvolver essa habilidade específica é muito estudo. O hábito da leitura também ajuda a construir uma boa bagagem sobre o uso do português. Então, procure ler livros, notícias e todos os tipos de conteúdos sempre de olho na estrutura dos textos.

Competência 2: compreender o tema e não fugir da proposta

Uma boa redação também precisa estar alinhada com a proposta do texto. Especialmente quando se trata de uma prova que tem um formato a ser cumprido pelo candidato. Para isso, é importante entender o que foi proposto e desenvolver o texto seguindo a estrutura esperada.

É possível surpreender nos argumentos, mas fugir do tema e do modelo não costuma ser permitido. Não adianta escrever uma excelente carta quando se trata de uma dissertação ou falar de algo que foge do assunto, por mais que você desenvolva muito bem os argumentos.

Imagine encontrar um enunciado que fala da população indígena e escrever sobre empreendedorismo? Além de não fazer sentido, isso demonstra que você não tem o mínimo conhecimento do assunto e não explorou os textos motivadores.

Os pontos mais relevantes dentro dessa competência são: interpretação de texto e conhecimento da estrutura. Ao final, leia tudo o que foi escrito para se certificar que realmente tem a ver com o pedido. É comum que o nervosismo atrapalhe um pouco, mas aproveite a releitura para modificar trechos que possam parecer confusos.

Competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista

Essa é uma avaliação que considera a coerência dos argumentos apresentados. Logo, o ideal é que o texto seja claro, com as ideias bem organizadas e com explicações que realmente justifiquem o seu posicionamento.

Por exemplo, vamos imaginar que o tema seja o desmatamento das florestas e os prejuízos gerados por ele. Não dá para dizer que não concorda com nenhuma forma de exploração da natureza e ao mesmo tempo apoiar que as árvores sejam derrubadas para dar espaço ao agronegócio.

A dica para não correr o risco da incoerência é fazer um plano para o texto e revisar o resultado final. O objetivo é que qualquer pessoa que for corrigir a redação consiga captar a construção dos argumentos até que a conclusão seja apresentada para fechar com chave de ouro.

Competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos na argumentação

Como citamos acima, somente uma boa argumentação não sustenta um texto de qualidade porque a estrutura do texto também deve estar dentro dos padrões da nossa língua. Cada linha é como uma oportunidade de demonstrar que você domina os mecanismos da Língua Portuguesa, organizando o texto de forma lógica, coesa e gramaticalmente correta.

Você sabe usar advérbios, pronomes e artigos? Consegue fazer referências de maneira certa? Percebe-se uma evolução das ideias apresentadas do início ao fim do texto? Tudo isso pode parecer detalhe, mas são detalhes muito importantes.

Competência 5: respeitar os Direitos Humanos

Em nenhum momento o texto pode desrespeitar os Direitos Humanos, o que configura um erro bastante grave ainda que todas as outras competências sejam bem avaliadas.

A redação do Enem pede uma proposta de intervenção, que nada mais é do que o candidato oferecer uma sugestão de como solucionar o problema abordado (o desmatamento, a fome, a desigualdade social, entre tantos outros). Quanto a isso, vale ter bom senso e tentar não ferir a ética.

Enfim, a pontuação máxima na redação do Enem é 1.000 pontos e só consegue essa nota quem tirar 200 em cada uma das competências citadas acima. Será que você já está pronto para fazer uma redação nota mil? Se ainda não se sente preparado, é hora de começar a se dedicar um pouco mais!

O que fazer para melhorar a prática da redação?

Um dos “segredos” para escrever ótimas redações é nunca parar de estudar, ler e pesquisar. O conhecimento em Língua Portuguesa é essencial, porém não é o único fator que importa. Dominar os conceitos de gramática, ortografia, acentuação ou pontuação vai ajudar bastante, mas é preciso estar atento ao que acontece no mundo para saber escrever sobre variados assuntos.

Reforçamos, a seguir, quais são as atitudes que vão ajudar você a melhorar os seus textos cada vez mais!

Preocupe-se com o conteúdo

Em uma prova, os corretores vão avaliar se os candidatos souberam empregar bem o idioma ao construírem seus textos. Contudo, o conteúdo em si também é um fator essencial, o que você já viu no processo de correção do Enem.

Para conseguir elaborar uma boa argumentação, o escritor precisa ter conhecimento sobre o tema e pensamento crítico para refletir, organizar as ideias e expor sua opinião.

O desafio é ainda maior quando o tema da redação não é anunciado com antecedência. O fator surpresa exige mais, já que é necessário estar por dentro das notícias e entender pelo menos um pouco dos principais assuntos que podem ser escolhidos como temática do texto.

Normalmente, a própria questão traz algumas informações que servem como base para construir a redação, mas a parte crítica da argumentação também é muito importante. Por exemplo, não dá para simplesmente falar que a educação é um direito de todos e não desenvolver os motivos dessa afirmação ou falar sobre o que pode ser feito para que o acesso das pessoas ao ensino possa melhorar.

Procure saber sobre os Direitos Humanos

No Enem é expressamente proibido desrespeitar os Direitos Humanos, ou seja, ir contra valores de liberdade, igualdade, ética etc. Apesar de outras provas não deixarem isso tão claro, esse é um parâmetro que deve ser seguido em qualquer situação.

O que não pode acontecer? Por exemplo, o escritor não deve se posicionar a favor de preconceitos raciais ou afirmar que matar a população criminosa pode ser uma saída para a superlotação das prisões.

Logo, além de estudar a Língua Portuguesa, é indispensável consumir muita informação, refletir sobre os temas e exercitar o pensamento crítico para ter mais facilidade na hora de escrever a redação. Se você ainda tem uma certa insegurança quanto a isso, não deixe de pesquisar sobre Direitos Humanos.

Aprenda a fazer uma revisão cuidadosa

O último passo para escrever uma boa redação e melhorar progressivamente de fato não pode passar despercebido: a revisão. Em processos seletivos que têm um tempo “apertado”, é preciso se organizar para não entregar o texto sem antes revisá-lo, até porque isso pode evitar que vários pontos sejam perdidos por pura falta de atenção.

Basicamente, existem dois tipos de erros. Aqueles que são cometidos pela verdadeira falta de conhecimento ou alguns que acabam acontecendo involuntariamente. Isso quer dizer que é possível escrever uma palavra errada por não saber como se escreve da forma correta ou errar por algum descuido do momento.

Então, revisar toda a redação para corrigir os erros que você consegue identificar é fundamental. Não deixe essa etapa de fora do seu planejamento!

Pratique muito e se desafie

Por fim, não há melhor jeito de aprender e evoluir do que escrevendo. A teoria pode funcionar muito bem, mas se a prática não acompanhar o mesmo ritmo saiba que você corre um grande risco.

Cada competência deve ser exercitada separadamente, só que o momento de saber mesmo se a sua dedicação está surtindo o efeito esperado é escrevendo. Como assim? Você pode praticar a leitura, estudar português todos os dias e pesquisar sobre os Direitos Humanos, mas somente na hora de produzir o texto é que vai testar todas elas de uma vez só.

Por isso, inclua na rotina de estudos um tempo para fazer redações sobre temas variados, inclusive ensaiando como você se sai em assuntos que já domina e outros que não conhece muito bem. Repita edições anteriores do Enem, calcule o tempo que gasta para escrever e procure melhorar a cada dia!

Agora que já sabe como é a estrutura da redação e tem boas dicas em mãos, chegou a hora de começar a prática. Mesmo que você não tenha uma grande facilidade com a escrita, acredite que esse tipo de tarefa não é um bicho de sete cabeças como muitos pensam. Aproveite para ler exemplos de redações nota mil e se inspirar!

E para continuar acompanhando os nossos conteúdos exclusivos, inscreva-se na newsletter aqui do blog. Temos muito mais dicas e você não vai se arrepender!

Compartilhe!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Receba conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail!

Diga o que está em sua mente

Seu endereço de e-mail não será publicado.